Aqui há fantamas! (JJ - 1997) Pintura a caneta de feltro


Oh Solidão, formosa palavra, ervas silvestres brotam entre as tuas sílabas. Mas és somente uma pálida palavra, ouro falso, traidora moeda! Eu descrevi a solidão literalmente, pus-lhe a gravata tirada dos livros, a camisa do sonho, mas só a conheci quando estava sózinho...

(Pablo Neruda)

Sem comentários: