UM JORNAL SERVE PARA SERVIR

Um jornal serve para servir.

Um jornal serve para publicar o que se fala, reflectir o que se publica, aprofundar o que se opina sobre o publicado e ampliar todas as opiniões sobre o dito e o reflectido.

Um jornal serve para ir além da notícia quando busca as suas relações, o seu contexto, as suas circunstâncias que geraram o facto e até avaliar as suas consequências.

Um jornal serve para pensar e ser pensado por gente livre.

Um jornal serve quando desperta atitudes. Quando analisa os actos que sofre mas também é actor passivo.

Serve e é estimulante e rico quando abriga e convive com as contradições. E só estará vivo em intensa actividade se servir aos que o lêem e o mantenham.

Um jornal serve quando não teme.

Nem o conflito natural das divergências nem o confronto acintoso de quem tenta intimidá-lo.

Serve quando se expõe até a equívocos mas busca avançar quando a prudência se confunde com o medo.

Um jornal serve como serviço público que é a definição mais básica de imprensa como instituição.

Um jornal não é só um amontoado de linhas, textos, fotos e traços.

(Para alguns é tudo isto e muita ignorância).

Um jornal serve quando se torna fundamental, precioso, indispensável para o que, na verdade, o mantém vivo: a sua credibilidade.

Um jornal serve para reconhecer os seus talentos e a sua vocação maior de comprometimento com o seu serviço primordial: um jornal serve para servir!


O jornal «Notícias do Estrela» é um exemplo de muito do que atrás se escreveu.

Um Jornal de Sócios para Sócios e amigos do Estrela de Portalegre.

Por isso mesmo não se pode calar, por ignorância e descrédito.

Seria óptimo, mas irreal, publicar-se um jornal exclusivamente com boas notícias uma vez por ano, quando há inúmeros pontos de interesse e de notícia a comunicar aos associados mês a mês. Não teria a aceitação generalizada que se pretende para uma fonte de comunicação que noticia e gere receitas (escassas, mas no momento actual todas são benvindas).

Gerir desprezando promessas, opiniões com contradições, falta de interesse e vontade, desconhecimento de oportunidades, omissão de histórias das glórias e das lutas dos outros, dos que deram voz e corpo e alma e nome à Instituição de Utilidade Pública Sport Clube Estrela - abafar os feitos, os efeitos, amordaçar a informação com a ausência, alienar o encontrado (e não conquistado), é uma derrota de iniciados que muito dificilmente chegarão a seniores, quase que impossível a veteranos. Perecerão pelo caminho!

Isto não é gestão – é congestão!


“O futuro interessa-me por ser o lugar onde vou passar o resto da minha vida.”

Woody Allen

Sem comentários: