TEOREMA DA MEDIOCRIDADE

FLAGELO DOS MEDÍOCRES
Numa sociedade onde a mediocridade é a regra da sobrevivência, os medíocres aumentam na proporção directa da escassez de valores morais. Uma característica moderna dos medíocres é que são cada vez mais incolores e incapazes de chegar à perfeição; contrariando mesmo os ideais dos seus próximos. São domesticáveis, ou com propensão para contrariarem os demais só por sofisma.
São ignorantes para os talentos dos artistas, não querendo saber das suas quimeras, cegos para as auroras dos dias lindos; sem horizontes definidos, estão condenados ao fracasso, a vegetar e a ser infelizes.
Incapazes de praticar qualquer virtude ou acção altruísta, são intolerantes para com os virtuosos e capazes de praticar maldades sem conhecerem o remorso!
Nunca tomam decisões baseadas na sensatez. Ignoram a serenidade e perturbam a serenidade dos outros, acomodando-se com a indignação que provocam com as suas ofensas. Não apreciam a honra nem a dignidade; ao renunciarem aos valores da sociedade, tornam-se incómodos e perigosos para os demais. Ao desprezarem o valor do trabalho dos outros, facilmente passam à condição de parasitas da sociedade.
A baixeza do propósito rebaixa o mérito do esforço que pode embelezar a vida. E é esta vulgaridade de comportamentos que conduz à falsidade, ao confronto, à avidez, à simulação e à cobardia. Enfim, são como uma praga que alastra nos meios que frequentam ou por onde vivem.
Por causas próximas da mediocridade, nos dias de hoje temos vários dramas a atestar que a sociedade se degrada:
Em muitos dramas do quotidiano, a virulência com que se expõe o lado negro da natureza humana, a falência da família como célula social harmoniosa, o nevoeiro que rodeia a existência e esconde os 90 por cento de ilhas que somos todos nós, começa a ser uma ameaça à estabilidade social. O quotidiano da vida social revela a sua tragédia como um colectivo de seres humanos mediocres.
Inevitavelmente, o nevoeiro ameaça regressar, depois de ter dado lugar ao sol da manhã em que a família começa a dispersar-se, cada um para as suas tarefas do dia: a louca correria para os transportes, o cumprimento dos horários de trabalho e o tempo de estudar… são o pronuncio da agitação das famílias em que a dona de casa vê a névoa distante dos filhos e do marido envolta na sua tragédia pessoal de afirmação de mulher emancipada mas sem emprego; este é o nevoeiro que a engole desde que saiu da segurança da casa dos seus pais, onde se sentiu apaixonada e com a esperança num casamento duradoiro. Este é mais um sinal perturbante onde se sente a fragilidade da sociedade no âmbito da sua base familiar, que causa transtornos emocionais e escurece a luz da esperança.
Depois temos os casos de endividamento excessivo, com todas as consequências nefastas das pressões dos credores para receberem a tempo e horas. E quem são os agentes desses credores? Ora nem mais, uns tantos mediocres instalados em lugares de decisão sem qualquer visão humanista.

Vivem assim muitas famílias em autodestruição, cuja única ligação ao real que quase as mantém fora do nevoeiro é continuarem a lutar contra a adversidade e longe das memórias que trazem de casa dos pais com vidas estabilizadas. Sentem-se desamparados, quase órfãos das coisas boas que a memória lhes faz recordar!

No fim de contas, a razão de muitos fracassos é uma questão de entender o mundo e tomar medidas contra a mediocridade que envolve todos até ao fim da noite, quando já pouco falta para se apagarem as luzes.
Joaquim Coelho
(In, http://vaidinamite.blogspot.pt/2011/05/teorema-da-mediocridade.html)

Sem comentários: