ACTO OU EFEITO DE QUEM SIMULA


Simular
[Verbo transitivo que significa “fingir, fazer o simulacro, fazer parecer real (o que não é)]

Simular pode ser agir ao engano para culpar terceiros.
Existe uma intenção de enganar.
Há uma vontade real de comprometer.
“Lavar as mãos sujas” para esconder a falha, o erro.
Há que ficar “bem visto(a).
É uma atitude inconsciente e displicente.
Pode ser acusação para alguém ausente.
Acto de cobardia pouco profissional.
Amador, talvez; ingénuo, mais correcto!
Impensável no resultado para quem o(a) pratica.
Inaceitável para quem se sente atingido.
Maneira ignóbil de agir, que augura formas medíocres de futuros compromissos.
Admitido o erro, existe desculpa.
Admitido o fracasso, sem confissão, não existe nada.
Falta de verdades dão mentiras, ausência de escrúpulos…
Numa criança, atitudes semelhantes desculpam-se à partida.
Em adolescentes, condenam-se e reprimem-se, (deve-se!).
Em adultos… é mera estupidez.  

Sem comentários: