Ocaso


O Sol é a tua voz,
Apenas isso me aquece a alma.

O tremer não é frio,
Já não se chama medo.

Não ser capaz de atingir o cume,

É mera ilusão dos desalentados.
A maneira eficaz de alcançar algo,
É existir.

A Esperança de ser único,
Esvai-se no tempo que sobeja.
Mantenho-me subtil,
E de tanto pensar, esmoreço só.

O Sol já é ocaso,
Num horizonte vago, longínquo.
O temor de um novo amanhecer,
Arrasa o sacrifício.

Minh’ alma sonha… e desassossega.

João Belém
2011-02-02

Sem comentários: