HESITAÇÃO


Escorrem gotas de suor na vidraça do meu contentamento.

De verde e oiro se agitam folhas e ramos curvados, p’lo ímpeto agreste da minha vontade, que transborda clamores e gestos, perante um rol infinito de incertezas.

Redemoinho de inutilidades e graça forçada, p’la vida ignóbil de que não vou sair, nem que ganhe a lotaria, sem sequer sacar um único cêntimo do rôto bolso no casaco surrado.

Pus ponto e vírgula na avenida e sofregamente deambulei p’la escura e disforme escadaria da minha existência… perdendo-me completamente nos labirínticos corredores de passadeiras vermelhas e corroídas por loucas e destemidas traças douradas.

Filamentos soltos de cabelos e lã esvoaçam à passagem daquele triste e pesado fardo de vícios e receios.

A madrugada… essa vagabunda e devassa realidade perdeu-se há muito no meu pensamento.

De novo na madrugada perdida…

hesito antes do sonho chegar…

(coragem)

e entro…

João Belém

2011-02-09

Sem comentários: