NA SUBTILEZA DE UMA GOTA



Na subtileza
de uma gota
que sofregamente desliza,
simples e cálida.
Comovente partícula dos meus segredos,
inúmeros, complexos,
cansados de tanto sal acumulado.

Subtil gota de orvalho corporal,
transparente roçar do rosto,
símbolo de fraqueza ou desabafo.
Sentimento de amor,
sensível desespero da espera,
imagem de apatia burocrática
dum quotidiano nostálgico.

Subtil gotícula que me toca levemente o coração,
e me enternece a alma,
comovente ânsia de te tocar.
Transportar cautelosamente,
te deitar num berço branco e te embalar,
qual criança de peito, (foi um desejo).

Na subtileza de uma gota, personifico-me.

Sinto com o coração o que escrevo e realizo-me.

Descuro toda a imaginação, pois não me serve para nada.

Envolvo-me em sensações e crio...

João Belém
2009-12-18

1 comentário:

Antonia Ruivo disse...

Vou seguir atentamente este desfilar de palavras e beleza.beijinhos