PESADELOS 1


Admiro o infinito.
É lá que quero repousar,
dos tormentos, dos lamentos,
vicissitudes que nos trazem famintos.

Cruéis os dias, demolidores,
de temores e chamas.

Estupefacto, vegetando, decomponho-me,
no ribombar dos gestos encenados
e desmandos prosaicos,de arrogância q.b.

Subrepticiamente entendiantes palavras,
funestas no contexto, feriram.

Como as entendo na perfeição!
Como as soletro (cá dentro, com raiva) mas incrédulo!

Ardilosamente o ferrolho fechou na carne mole e nua.
As chamas avançam indómitas,
consumindo tudo, o ferro lacerou fundo.

...

(Admiro o silêncio das paredes nuas.
Mostram de quanto vale uma vida errante
em palavras  e gritos famintos,
das riquezas que são de outros.

Snobismo cruel, bestialidade,
de incultos diabos.
Como os distingo bem!
Dar-lhe-ei o devido valor!
Dar-lhe-ei a breve resposta da conveniência!

A lição está bem estudada!)

...

Admiro o infinito.
É lá que quero repousar,
dos esforços, dos lamentos,
das m... que nos fazem fingindo.

Quando a porta cair num estrondoso fechar,
não sairei correndo...
irei a marchar...  feliz!
Esquerdo, direito, esquerdo, direito...

João Belém
2012.01.31





Sem comentários: